Documentário “Daniel Radcliffe: Being Harry Potter” completo! / Autor: Luiza Carvalhaes

Como parte da promoção de sua temporada de férias, na qual serão exibidos os filmes da série “Harry Potter“, a Sky Movies Schowcase HD liberou um documentário de mais de 40 minutos, intitulado “Daniel Radcliffe: Being Harry Potter” (Daniel Radcliffe: Sendo Harry Potter). Nele, o ator discutiu seu ajustamento ao papel principal da saga ainda muito jovem, e seguindo em frente depois da conclusão da série.

Sobre ser Harry Potter.

Daniel Radcliffe: Todas as oportunidades que eu tiver pelo resto da minha vida, 99% delas você pode traçar um caminho de volta ao fato de eu ter tido esse trabalho maravilhoso quando eu tinha 10 anos. Eu ainda mantenho que não há lugar mais divertido para um menino do que um set de filmagens: é ótimo porque é louco e tem muitas coisas para brincar e subir em cima – eu amava, foi ótimo. É muito difícil, quando você está no meio de algo tão grande, apreciar completamente – porque sempre foi uma grande parte da minha vida, de forma que eu não percebo quando passa a ser parte da vida das outras pessoas por algumas semanas do ano, quando os cartazes estão por todos os lados e os filmes estão estreando, e é algo muito grande; há todo o exagero pré-lançamento acontecendo.

Sobre manusear a campanha publicitária. 

Daniel Radcliffe: Eu simplesmente achava bobo e engraçado – nós tivemos uma ótima reação a isso como família; toda vez que nós víamos um pôster comigo nele, eu simplesmente pararia na frente e tiraria uma foto com ele! O que é uma coisa bem turística de se fazer, eu acho. Nós nunca achamos isso estranho, eu sempre achei hilário, de repente, eu estar em cartazes. Outro dia uma pessoa me enviou uma foto do filho deles parado com um versão de Lego tamanho real de mim mesmo, e, essas coisas, ainda são muito engraçadas. Quer dizer, é bizarro, mas eu nunca achei estranho ou assustador, eu simplesmente sempre achei engraçado. Se você começar a deixar essas coisas te incomodarem, então você está no trabalho errado, porque há muito disso.

Sobre ser um adolescente. 

Daniel Radcliffe: Quando eu era um adolescente eu pensava “Por que eu não posso simplesmente sair como todos os meus amigos fazem? Por que eu não posso simplesmente ir a clubes?“. E, honestamente, eu fui a clubes desde então, e eles não são realmente meu tipo de coisa, como descobri, o que é uma sorte pra mim. Muitos amigos meus diriam “Você não quer vir aqui hoje à noite?” e eu estava tipo “Não. Eu tenho que levantar 5:30hs para trabalhar amanhã, não posso.”

O mundo social dos adolescentes é como uma novela; eu não assisto novelas porque eu sei que se eu perdei uma semana de episódios, e então voltar a assistir, o elenco inteiro terá mudado ou algo assim – eu não posso acompanhar essas histórias! E, basicamente, se você ficar fora do mundinho dos adolescentes por 11 meses em um ano, você não pode simplesmente voltar porque todos terão mudado tanto, então eu me sentia desconectado das pessoas da minha própria idade, mas eu também me sentia sortudo por me conectar com pessoas mais velhas que eu.

Por saber, quando você é um adolescente, que todos estão passando pela mesma coisa; estão todos gemendo e agindo como se os problemas que você está tendo agora são os maiores problemas que você enfrentará na sua vida. Eu estava num set de filmagens com pessoas que já tinham passado por isso e poderiam se virar pra mim e dizer “Está tudo bem. Em um ano você nem se lembrará dessa garota. Ou… Aquela briga com seu amigo é tão sem importância no grande esquema das coisas.”

Sobre o estrelato ainda criança. 

Daniel Radcliffe: Eu era, de alguma forma, natural quanto a isso; o que eu aprendi, aprendi pelo trabalho duro e dedicação. Isso é algo que eu fui avisado desde muito jovem: se eu conseguir lhe dar com esse lado disso, e moldar uma carreira para mim mesmo pelo próximo, por muito tempo, então qualquer outro ator mirim que venha depois de mim, esperançosamente, não terão que lhe dar com todos aquelas perguntas irritantes, porque se eu, Rupert (Grinta) e Emma (Watson) podemos fazer isso na franquia mais bem sucedida de todos os tempos, então, isso tira o argumento. Eu realmente quero provar para todo mundo que assumiram erroneamente, quando eu assumi o papel, que nós nunca seguiríamos em frente depois de “Potter”. Eu já fiz coisas além disso; “Equus“, “My Boy Jack“, “December Boys“, “Woman In Black” – esses são os primeiros passos do que será um longo processo.

Sobre a análise da imprensa. 

Daniel Radcliffe: Era fantástico, e eu podia trocá-lo por qualquer coisa e deixar de lado toda aquela fase em que adolescente tem de passar; com as meninas e insegurança – o que realmente não acaba com a adolescência, porém, haviam momentos em que a imprensa me fazia sentir que havia uma grande quantidade de pessoas esperando que eu cometesse um erro. É muito preocupante que existam pessoas no mundo que estão dispostas a ver você ‘cair’, porque, francamente, eles não se importam se você vai viver ou morrer – eles só querem vender jornais ou de fazer algum documentário sobre “como tudo deu errado

Daniel Radciffe costumava ler coisas terríveis sobre si mesmo na internet
Daniel Radcliffe: A pior coisa que fiz foi – foi documentado que eu nunca li nenhuma coisa sobre mim nos jornais, na internet e qualquer outra coisa, mas, quando eu tinha 14 anos, eu li – pesquisei no Google sobre mim mesmo, e obviamente, haviam muitas pessoas falando coisas boas, mas, você não se importa, você só se importa com as pessoas que te difamam e isso é muito, muito estranho – como se eles me conhecessem e tivessem o direito de falar sobre mim daquele jeito; é tão incrível a arrogância das pessoas. Então sim, achei um pouco preocupante e isso e afetou por um tempo, particularmente como um adolescente.

Sobre a vida depois de Potter. 

Daniel Radcliffe: Alguém me disse “depois de Potter você não vai tirar umas férias?” E eu disse não, eu não posso arriscar tirar férias: esse é o momento em que todos no mundo dos filmes estarão assistindo para saber o que você fará em seguida, e nós não podemos arriscar ficar inativo: aquele medo de falhar é algo que vai me aterrorizar bastante.

Sobre ser uma estrela do cinema

Daniel Radcliffe: É bizarro quando você encontra pessoas que realmente acham que te conhecem. Eu não me sinto estranho, eu me sinto como: “Deve ter sido decepcionante quando você me conheceu.” Acho que as pessoas têm uma imagem de que todas as estrelas são legais, e eu não sou – Sou um nerd. Obcecado por ‘cricket‘, sou feliz na minha própria compania, e, particularmente, não sou o que as pessoas querem quando conhecem uma estrela, e estou feliz por isso – Eu não necessariamente quero ser isso, mas eu sempre penso – tive experiências quando conheci meus heróis, e foi realmente decepcionante, seja pelo que for, eu sempre me preocupo para que quando as pessoas me conheçam elas não passem por um experiência parecida.

Fonte.








2011 - 2016   DanielRadcliffe.Com.Br