Daniel Radcliffe em entrevista para o Yahoo Movies / Autor: Barbara Carias

A estrela de “What If”, Daniel Radcliffe fala sobre seus fãs, futebol, jornalistas preguiçosos e muito mais!

Daniel Radcliffe é conhecido por ser um dos atores mais sinceros e calmos no show business – especialmente quando se trata de lidar com a imprensa. Mas com o fim de sua longa década como o famoso bruxo Harry Potter, houve uma pergunta muitas vezes repetida pela imprensa que realmente testava sua paciência: “Você sente que seus melhores anos ficaram para trás?” “E é somente sobre isso que todos queriam falar” – disse Radcliffe para o Yahoo Movies. “Eu sempre fui muito determinado e sabia que haveria uma vida pós Harry Potter me esperando.” – contou o ator.

E a vida para o ator britânico pós Potter incluiu uma gama de papéis em filmes, como o terror trazido por “The Woman In Black” até o drama biográfico “Kill Your Darlings” de Allen Ginsberg.  O nome de Radcliffe foi muito comentado pela crítica também pelos seus trabalhos no palco com seus papéis de maior valor como quando interpretou Full Monty em “Equus” e em “How to Succeed in Business Without Really Trying” no qual ele provou que além de ótimo ator também canta e dança muito bem.

Mas o último trabalho de Daniel, “What If”, que podemos dizer que ainda é uma de suas escolhas não convencionais, é um filme que tenta agradar tanto os otimistas e grandes sonhadores quanto os cínicos e de olhar crítico. “É romântico sem ser muito sentimental, e é realmente engraçado.”, diz Radcliffe sobre sua nova obra onde ele interpreta um homem lutando para não se apaixonar por sua melhor amiga Ruby Sparks, que é interpretada por Zoe Kazan. Conversamos com Radcliffe sobre sua nova obra e mais uma variedade de coisas.

 O que faz uma boa comédia romântica?

Eu acho que ás vezes as pessoas poupam em comédia – e isso é meio chato. E na maioria das comédias românticas os problemas de coração são sempre uma espécie solucionável por grandes gestos de romance. E na vida real, isso realmente não acontece dessa forma… De certa forma “What If” é uma comédia romântica bem tradicional, e também enfraquece  aqueles tropos de comédias românticas que as pessoas estão acostumadas.

Você concorda com o argumento de que Hollywood esqueceu como fazer boas comédias românticas?

Sim, acho que sim. Houveram sim alguns grandes filmes que saíram “When Harry Met Sally” é um filme tão icônico, e, para muita gente é a excelência da comédia romântica. Como tudo nesta indústria, pessoas lutam com originalidade. E as pessoas ficam preguiçosas: Eles pensam que se você vender um filme corretamente, e se o trailer for engraçado o suficiente, então isso é tudo que importa.

Se este filme faz bem, é um triunfo da boa escrita. Tentamos dizer sobre ambos os lados de sua história. Eu acho que há uma tendência no cinema não querem mostrar que os homens também sofrem durante suas relações.

Não há pressão sobre os homens sobre eles não serem vulneráveis, e é por isso que eu acho que é difícil para os homens conversar com outros homens sobre problemas em sua vida. E isso torna difícil, porque, como um homem, a maioria dos seus amigos são homens. Então, se você não pode falar com ninguém em torno de você sobre as coisas acontecendo em sua mente, isso se torna muito difícil. Por isso neste filme, é bom ser capaz de mostrar os dois lados da história.

Você se acha um bom ouvinte?

Às vezes. Eu sou muito bom em ouvir coisas de outras pessoas, mas não sou muito bom em compartilhar meus próprios problemas, isso porque não quero que as pessoas se preocupem comigo.

Você é um fã de Elvis?

Eu gosto muito de música, mas eu acho que é uma daquelas coisas que você tem que estar lá no momento para realmente apreciar o que aquela estrela fazia. Mas há outros artistas que eu posso gastar boa parte do meu tempo ouvindo, com certeza.

Tais como?

The Beatles, The Sex Pistols,  The Pixies, The Libertines. Não estou dizendo que eles são melhores do que Elvis, só estou dizendo os que prefiro.

Vamos seguir em frente falando sobre os seus sentimentos sobre bacon.

Minha massa corporal provavelmente é composta 75% de bacon, pois como uma quantidade absurda do mesmo. Há uma linha em “What If” onde Zoe cita “Bacon nem é comida. É gordura pura.” E eu disse “É mesmo? Isso é terrível porque eu posso viver só comendo isso.” Sempre que eu como algum lanche, tem de haver uma quantidade bem grande de bacon. O bacon faz tudo melhor.

Bem, com exceção de goma de mascar. É aí que você tem que desenhar a linha.

Sim, eu posso ver isso. É como quando você têm aquela goma de mascar sabor de café, que sempre me confundiu. É como goma de mascar com sabor de cigarro, ou um incenso com cheiro de ervas daninhas. Isso é uma coisa real, a propósito: Você pode obter um e o nome dele é cannabis. Meu amigo comprou para sua casa e eu perguntei, “Por que raios você tem isso?”

Isso faz sentido. Especialmente se você está na faculdade e você ser preso, você pode culpar o incenso.

Acho que sim. Mas existe uma coisa pra levantar mais suspeita do que isso, tipo, que é óbvio que você está tentando esconder isso. Isso foi como eu quando eu comecei a fumar escondido dos meus pais, eles diziam “Dan, você está com um cheiro maravilhoso esta noite. Por que você colocou tanto em Colônia?”

Eu fiquei fascinado por este vídeo recente onde você citou quase todos os quarterback’s ativos da NFL. Quando e como se tornou um grande fã de futebol americano?

Quando eu fiz Equus [na Broadway], os caros da equipe de teatro me deram uma camisa do Giants e disseram: “Você tem que ser um fã do Giants agora. Você tem que entrar no futebol a partir de agora.” A equipe estava montando pequenas ligas para jogar sabe? E eu não estava realmente interessado. Eu estava mais interessado em jogar cricket e eu não gostava tanto de futebol.  Mas foi quando eu fiz “How to Succeed”, eu estava atuando no show durante oito meses, e para ser honesto, sempre aceitei qualquer desvio ou qualquer entretenimento para me distrair. Então eu disse: “Oh sim, eu vou participar da sua liga.” No início, eu fiquei tão irritado porque eu não gosto de perder, mesmo que seja algo que eu não entendo nada. Então, eu comecei a assistir alguns jogos e fiquei realmente muito ligado á isso.

Em sua recente Comic-Con para Horns, você também mencionou a imprensa – Será que o seu relacionamento com os jornalistas nunca terá controversas?

Nenhuma controversa. É só que eu gostaria que as pessoas não se importassem quando algo acontece na minha vida pessoal, ou quando eu faço alguma coisa. Às vezes eu faço entrevistas com pessoas e eu vou estar sentado ao lado de outro ator, e eu vou ouvi-los dizer alguma coisa e penso: “Se eu dissesse um pequeno palavrão, isso acabaria virando uma história enorme e com certeza seria colocado em todos os lugares.”

E não é mesmo com a mídia norte-americana. Para a mídia britânica, nós somos apenas uma piada. Qualquer ator, alguém que faz bem para si, está ali apenas para ser ridicularizado. Eu acho que as pessoas que escrevem essas histórias são uma espécie imprestável. Por exemplo, no ano passado, no Reino Unido, eu estava atuando em The Cripple of Inishmaan e perto do final do show, (todas as noites) eu estava suado e sujo, e mesmo assim saia para atender os fãs, e todas as noites, os paparazzi iriam tirar fotos de mim. E cinco ou seis vezes diferentes, um jornal publicou uma história com aquelas fotos que resultou da seguinte forma: “Porque é que Daniel Radcliffe aparece tão pálido e tão fino? Ele, obviamente, precisa de ajuda. Seus fãs estão preocupados com ele. “

Sempre que as pessoas começam inventando coisas, eu presumo que seja porque eles estão com preguiça de fazer um bom trabalho. Eu odeio atores preguiçosos. Eu odeio jornalistas preguiçosos. Fui entrevistado por inúmeros jornalistas com quem eu pude ter conversas fantásticas que elaboram perguntas muito interessantes e que escrevem muito bem também. Mas, infelizmente, não é assim que algumas pessoas do jornalismo pensam sobre seu trabalho. A maioria das pessoas pensam no jornalismo como uma espécie de literatura sobre fofocas, o que é infelizmente é uma vergonha.

É um ciclo vicioso que se alimenta por si só.

É razoavelmente normal que algumas celebridades desfrutem desse tipo de cultural inútil, porque as vezes eles são os beneficiários do mesmo. Porque eles conseguem tudo o que querem e as portas estarão sempre abertas para eles o que quer que seja. Mas se eu pudesse lanças um filme a cada dois meses, eu preferia que as pessoas simplesmente fossem vê-lo sem me dizer nada ou perguntar nada e nem a ninguém sobre a minha vida pessoal.

Como, no outro dia, que eu fiquei demasiadamente irritado sobre um monte de perguntas sobre quando eu perdi minha virgindade. E isso me parecia apenas uma espécie de emboscada, e eu é claro, não respondi. Então alguém em uma entrevista extra veio até mim e perguntou, “Bem, me conte sobre a sua primeira vez.” É uma daquelas situações em que de repente eu estava me questionando por dentro, “Não, eu não tenho que responder a isso. Essa é uma informação pessoal.” Isso é julgado ser de grande importância para os jornais quando se tratam das celebridades, as pessoas simplesmente esquecem como eles normalmente agiriam sobre o assunto com uma pessoa não-famosa. E tudo sobre aquilo que concordamos ser bem aceitos pela sociedade por ser educadamente normal fazer ou pedir, é jogado fora em uma entrevista como essa.

Além disso, todo mundo quer selfies agora. Você lida bem com isso?

Bem acabei fazendo uma bateria de selfies na porta do teatro de Cripple of Inishmaan, porque ninguém sabe como trabalhar com sua própria câmera. Eu sei como trabalhar com câmeras melhor do que todos os outros. Então eu só dizia, “Me passe o telefone”.

É uma coisa interessante: A internet não é mais para você passar um bom tempo – é sobre mostrar às pessoas com o quê você está tendo um bom tempo. Quando você sai para bares e clubes, ninguém está realmente dançando ou se divertindo; todos eles estão tirando fotos de si mesmos no bar para que mais tarde eles possam dizer: “Eu estava lá, não era grande?” É uma loucura.

Você lidou com uma massa imensa de fãs, graças aos filmes de Harry Potter. Você acha que há um limite onde esses mesmos fãs iriam sobre seus novos trabalhos?

Olha, eu nunca vou fazer alguém se sentir envergonhado por quanto eles gostam de alguma coisa, porque eu fico assim, também. Não há ninguém que eu esperei do lado de fora na chuva por horas e horas.  Mas há fãs que você vê de novo e de novo e de novo, especialmente com os adolescentes, e você tem que perguntar: “Seus pais sabem que você vem aqui todos os dias?” Você se preocupa às vezes, especialmente com as palavras as quais você começa uma conversa quando alguém lhe diz , “Você é tudo que eu tenho na minha vida.” Isso é um pouco assustador. Porque você pensa “Eu não posso lidar com essa responsabilidade ou com esse tipo de pressão.” É uma carga enorme.

Alguns anos atrás, nós falamos sobre o fato das pessoas ficarem geralmente surpresas sobre como alcançou a fama tão rápido e se tornou um dos jovens mais ricos do mundo, mas também foi uma criança normal que ficava de castigo e se manteve longe de problemas. Agora que você está mais velho, quando você vê jovens celebridades que não estão lidando muito bem com isso – como Justin Bieber – você sente alguma empatia com eles?

Sim, porque todo mundo faz um julgamento e ninguém sabe o que realmente se passa. A versão de crescer sob os holofotes que eu fiz é diferente de Justin Bieber ou Miley Cyrus. Tenho pais maravilhosos. E, crescendo na Inglaterra, há uma tendência natural a querer tirar sarro de pessoas. As pessoas dizem que é por isso que Hitler nunca teria chegado ao poder na Grã-Bretanha, já que teria apenas pessoas que fossem rir dele. E há algo para isso.

Mas eu cheguei à conclusão de que a fama não faz de você um buraco negro. Eu conheci Jennifer Lawrence, e ela é uma das pessoas mais famosas do mundo inteiro, e não poderia ter sido melhor. Ele está com você ou não está com você. E, basicamente, estamos em uma indústria que facilita e permite que as pessoas sejam babacas se eles quiserem, e, na verdade, às vezes até o premiam ele por isso. Portanto, quanto mais louco você for, mais atenção você recebe, mais revistas falaram de você e por ai vai.

Mas, sim, eu sinto pena de alguém que têm um material escrito sobre ele que não é verdade. Não é uma coisa fácil de saber que há tantas pessoas lá fora que querem mesmo é ver você se ferrando e não dão a mínima. É uma sensação muito estranha, porque você meio que sente que existem realmente um grupo de pessoas que esperam por isso. E com seus 18 ou 19 anos, e sei que há uma parte das pessoas lá fora que querem mesmo ver você falhar, e é muito estranho. Então, sim, eu vejo isso como um pontapé para algumas pessoas perderem o juízo.

Finalmente: Você acabou de completar 25 anos, e eles foram cantados e comemorados por mais de 6.000 mil fãs na Comic-Con. Você comemora aniversários, ou tentar ignorá-los?

Eu celebro sim, absolutamente. Eu nunca faço muito barulho. É sempre algo que eu meio que esqueço de organizar até como na semana anterior. Mas foi lindo este ano, eu tinha um grupo de pessoas reunidas em Nova York e nós apenas fomos todos jantas juntos. E foi uma encantadora mistura de dois shows anteriores que fiz em Nova York, algumas das pessoas do elenco de How to Succeed, algumas de Equus, e também de Kill Your Darlings e Horns. Eram todas as pessoas que conheci através do meu trabalho. Mas nós não falamos de trabalho o tempo todo. Não é isso que fazemos quando nos reunimos.

A indústria do cinema é um lugar muito difícil de se fazer e manter amizade com as pessoas. Você está sempre sendo puxado para longe delas, e você tem essas relações fugazes, pode ser difícil ficar realmente em contato com as pessoas e realmente formar grandes amizades. Mas eu estava meio que olhando ao redor da mesa no meu aniversário e pensei: “Eu tenho feito muito bem, na verdade. Eu tenho um grupo realmente maravilhoso de amigos que realmente se importam comigo. Então eu me senti com muita sorte, como:” Se todas essas pessoas gostam de mim, eu estou fazendo muito melhor do que ser um buraco negro.

 Tradução e Adaptção: Barbara C

Fonte: Yahoo Movies








2011 - 2016   DanielRadcliffe.Com.Br