Nós, fãs do Daniel Radcliffe recebemos um presente de Natal atrasado da Netflix Brasil. A empresa de streaming comprou os direitos de divulgação do filme no país e a partir de 29 de Dezembro o filme fará parte do catálogo da empresa. O filme foi traduzido como “Um Cadáver para sobreviver.” Vale lembrar que a Netflix Brasil disponibiliza outros títulos com o Daniel, como: Versos de um Crime, Será Que?, A Young Doctor’s Notebook e muitos outros. Agora nos basta assistir para que a Netflix o mantenha no catálogo por muito tempo.

Swiss Army Man conta a história de Hank (Paul Dano), que está preso em uma ilha deserta e quando está prestes a cometer suicídio, encontra um corpo trazido pelo mar. Logo ele descobre que Manny (Daniel Radcliffe), é um cadáver “mágico,” que desde sua flatulência até o seu corpo vazio servem como jet ski e depósito de água. O filme fala sobre sobre amizade, amor e os motivos que fazem a vida valer a pena ser vivida.


Com o lançamento de Animais Fantásticos e Onde Habitam, a BBC Radio 1 realizou um documentário sobre o porquê do mundo bruxo de J.K. Rowling ter se tornado um sucesso tão grande. Daniel Radcliffe e Eddie Redmayne (Newt Scamander de Animais Fantásticos) participam do documentário e ajudam o crítico Ali Plumb a descobrir esse segredo.


Essa semana foi o aniversário de 15 anos de lançamento de Harry Potter e a Pedra Filosofal, filme que lançou Daniel Radcliffe como ator aos 11 anos de idade. A DigitalSpy conversou com Daniel, que falou sobre sua primeira memória nos sets de gravação, quando percebeu o quanto sua vida ia mudar e sua relação com os atores da série hoje em dia.

Daniel Radcliffe revela o que REALMENTE o animou para Harry Potter e a Pedra Filosofal

Nós quase não acreditamos, mas hoje faz 15 anos desde que Harry Potter e a Pedra Filosofal estreou nos cinemas e lançou seu elenco jovem em um estrelato mágico.

Daniel Radcliffe sentou com a DigitalSpy para relembrar o filme, apesar que você não irá ser capaz de adivinhar o que o animou no primeiro dia no set.

“Os primeiros dias na plataforma de trem em Goathland, onde também foi filmado Heartbeat, eu acho… Eu lembro de estar lá e eles dizendo, ‘Foi aqui onde eles filmaram Heartbeat’, e eu tava tipo ‘Não brinca! Sério? Incrível!’, esse é um programa de TV que eu ouvi falar quando criança.”

Sim, esqueça o mundo mágico de J.K. Rowling tomando vida diante dele: foi um set policial no lado rural de Yorkshire que cativou a mente pré-adolescente de Radcliffe.

Ele admite que, no set, ele estava “bem nervoso, mas não tão nervoso como [ele] deveria estar” por estar entrando em uma adaptação da série mais vendida na história do mundo. Foi apenas depois do filme ser lançado e a máquina da publicidade começar a rolar que ele ficou “perturbado”.

Radcliffe diz que ele não estava preparado para como o filme mudaria a sua vida. “Ninguém sentou com a gente e disse, ‘Isso pode acontecer, isso pode acontecer’… A primeira vez que eu senti isso foi na primeira première e na primeira vez que eu fui reconhecido na rua por alguém que enlouqueceu. Eu fiquei bem assustado.”

Felizmente, a sua família estava lá para ajudá-lo durante as piores e mais estranhas partes de tudo. “Depois disso eu estava como, se eu conseguir lidar com isso então estou bem. Eu acho que meus pais foram muito bons em como eles lidaram com isso. Mesmo que eles estivessem assustados, eles iriam olhar pra mim e dizer, ‘A vida não é engraçada? Que coisa estranha tudo isso acontecendo!’”

“E eu acho que isso me deu uma boa perspectiva, melhor do que eu pensar que tudo estava acontecendo porque eu sou tão incrível, ou que era algo a ser temido ou negativo – então eles me deram uma atitude legal e saudável à isso.”

Radcliffe pensa que seus pais e a equipe de filmagem de Harry Potter “fizeram um ótimo trabalho” tratando o elenco “primeiro como crianças, depois como atores,” uma tendência que ele acha que é frequentemente reversa nos EUA – apesar dele admitir que há atores mirins “adoráveis” e “estragados” nos dois lados do Atlântico.

Na carreira pós-Harry Potter de Radcliffe – que já teve de tudo desde terror (A Mulher de Preto) até o de temática-gay Beat (Versos de um Crime) e comédias negras de cadáveres flatulantes (Swiss Army Man) – não deveria ser surpresa que ele tentou seguir em frente depois da série. Na verdade, ele nunca sentou e assistiu nenhum dos filmes, apesar de ter se tornado impossível evitar a todos.

“Eu vi um pedaço de um outro dia,” ele diz. “Eu estava de férias na Grécia e havia um canal de filmes que nós estávamos assistindo porque era a única coisa em inglês e o filme apareceu e eu estava tipo, ‘OK, agora eu tenho que achar outra coisa para assistir’. Mas eu acho que assisti algumas cenas e estava como, ‘OK, eu não preciso assistir mais.’ Um dia eu, provavelmente, vou assisti-los novamente se eu tiver filhos, então vou fazer isso, mas esperançosamente eles vão gostar dos filmes e isso vai me distrair da minha própria atuação.”

E sobre o resto do elenco? Ele não está em contato com Emma Watson, apesar dele ver  Rupert Grint “ocasionalmente”. “Eu diria que tenho uma boa relação com o elenco,” ele diz, embora as pessoas que ele considera como “ótimos amigos” daqueles dias são os membros da equipe de filmagem. Mas ele ainda mantém contato com Matthew Lewis (Neville), Alfie Enoch (Dino) e Bonnie Wright (Gina), e é claro que ele pensa que a série providenciou a todos uma longa carreira no cinema. “Nós todos gostamos de trabalhar com cinema.”

Fonte: DigitalSpy
Tradução: Nuara Costa


Durante a semana que Daniel passou no Festival de Cinema de Zurique, ele concedeu muitas entrevistas nas quais promoveu Swiss Army Man e falou sobre usar bonecos de si mesmo nas gravações, as polêmicas geradas pelo filme e sobre sua carreira. Segue abaixo a entrevista traduzida:

Se ele fosse um fenômeno meteorológico, meteorologistas provavelmente o descreveriam como um furacão. Daniel Radcliffe passou correndo pelos corredores do Hotel Zürcher, onde concedeu a entrevista. Ele cumprimentou os jornalistas que esperavam na passagem e ele os cumprimentou novamente quando passou na volta. Ele responde todas as perguntas com muita vontade. Ele corre a mão pelos cabelos, destacando suas afirmações com gestos expansivos e seus olhos azuis emitem uma cordialidade calorosa.

Ele descreve como “segunda carreira” o seu tempo após Harry Potter. Isso inclui filmes como “Imperium”, “Truque de Mestre 2” ou “Swiss Army Man”, que foi apresentado no Zurich Film Festival, na Suíça.

Em “Swiss Army Man” você gravou muitas cenas sem o manequim. Qual cena se apresentou com maior desafio?

Provavelmente a cena do começo do filme, quando estávamos na água. Todos pensam que é um manequim. Mas Paul Dano, na verdade, ficou em cima de mim. Abaixo de mim havia uma jangada e eu estiquei meus braços, que estavam presos por cabos. Eu tentei curvar as minhas costas com o máximo de força possível. A câmera foi posicionada de tal modo que não dá para ver isso. Então Paul se sentou em cima de mim e eles nos puxaram pela água.

Essas duas pessoas se apaixonam…

…Sim, totalmente!

Com isso, você vê uma mensagem como: Todo amor é amor?

Sim, acho que é assim. Não é especificamente amor homossexual ou heterossexual, é simplesmente… amor. E o amor é ensinado a ele. Algo maravilhoso nesse filme é que dois homens heterossexuais – bem, eu estou morto, mas amo Sarah – se beijam, um beijo romântico!

Embaixo d’água.

(Risos) Sim, embaixo d’água. Mas na cena da festa, eles quase se beijam e acontece esse grande momento, no qual Paul ameaça se afogar e ele ainda quer me dar a experiência de um beijo, antes de nós dois morrermos. Mas então, ele de repente percebe que pode me usar como tanque de oxigênio. Isso é simplesmente brilhante.

Quando você aceita um papel como esse, há uma grande intenção de se livrar da imagem de Harry Potter?

De forma alguma. Não quero que as pessoas se esqueçam de mim como Harry Potter. Me entenda, eu não teria recebido todas as propostas, se eu não tivesse feito Harry Potter. Eu sou muito grato a esses filmes. Talvez eu ganhe mais reconhecimento pelos diferentes papéis que interpreto do que eu mereço. Praticamente todos os atores interpretam muitos papéis diferentes, mas porque as pessoas me viram interpretando esse papel por tanto tempo, ele é mais reconhecido. Não quero destruir Potter, quero apenas prosseguir com a minha carreira. Fico satisfeito com isso, como tudo progride e eu posso olhar para trás como muito entusiasmo.

Qual é o papel dos seus sonhos?

(Hesitando.) Isso é realmente difícil de dizer. Conversei recentemente com Woody Harrelson sobre o trabalho em conjunto com Martin McDonagh (In Burges), porque uma vez eu participei com ele de uma peça de teatro e já trabalhei algumas vezes com Woody. E para mim não faria diferença qual papel seria, já que há apenas um papel em um filme de Martin McDonagh. Eu considero que ele é um dos melhores roteiristas contemporâneos e muito rapidamente se tornará também um dos melhores diretores.

A fala de Radcliffe jorra como uma cascata. A garrafa que estava ao lado dele permaneceu intocada. Ele falou com gosto, muito e em um ritmo insano. O entusiasmo e o prazer por seu trabalho são notáveis a cada palavra. Ele parou de beber álcool. Rigorosamente. Um motivo específico para isso não foi dado, além de um “Uma coleção de terríveis coleções”, como ele consegue descrever.

O colega de filme, Harrelson, havia convidado-o na noite anterior para abalarem Zurique juntos. Radcliffe soube que na manhã seguinte ele teria compromissos com a imprensa. Com isso, foi dito que Harrelson disse: “Garoto, você começará a trabalhar no dia depois da sua estreia, não antes das duas horas da tarde!”, “Um conselho que eu busco recordar.”, completa Radcliffe sorrindo.

Em Swiss Army Man você diz uma vez: “Meu corpo é repugnante!”. O filme representa um tipo de jornada de redescoberta do corpo de um indivíduo. Você também descobriu algo novo em si?

Quando a pessoa analisa o que acontece em seus corpos: Seres humanos, nós somos repugnantes! O interior de um humano é nojento! Mas essa é a melhor coisa no filme, porque ele leva você a reexaminar seu relacionamento com o seu corpo físico ou sua própria forma de ficar sozinho – seja qual for! Ao mesmo tempo, ele dá a você a permissão de sentir e viver essas coisas. O ponto do filme é que a vergonha nos afasta do amor. Não importa se a pessoa solta um pum, tem uma ereção, ou se masturba, ou quando você se sente sozinho, ou se sinte como um louco: Todas essas coisas são totalmente universais e sentimentos humanos, dos quais nós somos levados a sentir vergonha. É um filme repugnante com uma bela mensagem sobre amor e aceitação.

No festival de filmes de Sundance muitos espectadores foram embora depois dos 25 minutos. Cada cena é uma surpresa e você é recompensado por esperar. Não dá para ter certeza no começo do filme do que ele se trata, é um sentimento estranho.

Isso está totalmente correto. O filme é tão cheio de surpresas que depois dos primeiros 15 minutos não dá para avaliar para onde essa jornada vai.

“Estranho” poderia ser a melhor descrição do filme?

Também seria simplesmente “bonito”. Estou inclinado a descrever o filme como “altamente tolo e altamente esperto”. Ele é muito “completo”, cheio de contradições que o sustentam. Isso é a maravilha desse filme.

O que você pensaria sobre uma continuação para Swiss Army Man?

Isso seria totalmente demais. Nenhum outro personagem que eu interpretei, tirando Harry, eu gostaria tanto de interpretar novamente como o Manny. Se os Daniels (Os diretores Daniel Kwan e Daniel Scheinert) daqui a alguns anos quiserem gravar um Swiss Army Man II com um Manny mais velho e caduco, eu ficaria extremamente interessado.

Quando Radcliffe ganha, ao final da entrevista, um canivete suíço de um jornalista, ele demonstra uma alegria infantil. Enfim, ele tem seu primeiro canivete. Com empolgação ele examina os diferentes apetrechos, abrindo finalmente a lâmina: “Esse é o que eu mais gosto”. Depois ele flertou outra vez com o saca-rolhas. De certo modo, altamente tolo e altamente esperto.

Tradução: Munich Graf Ferreira
Fonte: outnow.ch


Assista abaixo a entrevista legendada do Daniel para o britânico The Independent realizada em Setembro durante a press junket de Swiss Army Man e Imperium.


O ator de Swiss Army Man, Daniel Radcliffe, conseguiu o papel principal no filme Beast of Burden, como um traficante de drogas. O filme que, atualmente, está em pré-produção, terá a direção do sueco Jesper Ganslandt, com roteiro escrito por Adam Hoelzel.

O filme focará na vida de Sean Haggerty (Radcliffe), um personagem que está acostumado a mentir e a esconder segredos de todos, inclusive dos agentes federais, do cartel e até mesmo da sua esposa, Julie. Mas, agora, ele está pronto para sair do seu negócio ilegal — após terminar de atravessar 25kg de cocaína pela fronteira dos Estados Unidos, em um avião pequeno. Desde que consiga sobreviver ao pouso, é claro.

Radcliffe pode até ser melhor reconhecido como O Menino que Sobreviveu na franquia Harry Potter, mas ele conseguiu acumular alguns interessantes e consistentes papéis, desde então, apareceu em produções da Broadway (Equus, How to Succeed in Show Business Without Really Trying) e em filmes como Versos de um Crime, Amaldiçoado e o sucesso de críticas desse ano, Swiss Army Man, no qual ele interpreta um cadáver.

Tem sido divertido assistir à sua carreira se desdobrar de forma tão inesperada e gratificante, desde o início. Ele, recentemente, estreou o filme Imperium, lançado em agosto, no qual deu vida a um agente do FBI que, devido à uma investigação, se infiltra em um grupo neonazista.

Gaslandt dirigiu, principalmente, filmes suecos, como Blondie, lançado em 2012, e Apan, lançado em 2009. Ele também irá dirigir o filme Vacation, baseado em um roteiro de sua autoria.

Antes desse projeto, Hoelzel tinha trabalhado apenas em curtas, como Amelia’s Canon, no qual ele também assumiu o papel de diretor. Atualmente, ele está escrevendo o roteiro do filme By the Rivers of Babylon.

Fonte: Tracking Board


É raro hoje em dia encontrar um filme que é diferente de tudo o que você já viu antes, mas o novo longa de Daniel Radcliffe é. Swiss Army Man é um filme de companheirismo com uma diferença – o personagem de Dan, Manny, é um cara morto.

O filme começa com Hank (interpretado por Paul Dano), que está em uma ilha deserta e só pode ir para casa com a ajuda de Manny. Então, quando o BuzzFeed encontrou com o Dan, recentemente, para promover o filme, nós decidimos questioná-lo sobre o que ele levaria para uma ilha deserta. Se ele conseguisse fazer as malas com antecedência, obviamente.

Quais os três livros que você levaria com você?

Daniel Radcliffe: O Mestre e a Margarida, porque é o meu livro favorito e, eu sinto que eu poderia reler isso muitas vezes. E depois, provavelmente alguns guias de sobrevivência, então eu poderia, você sabe, descobrir como fazer uma fogueira, porque eu definitivamente não sei. E quanto a… um dicionário ou uma enciclopédia, assim eu procuraria coisas como “Essa berry irá me matar?”

Quais os três tipos de petiscos que você levaria?

DR: Os três tipos de petiscos que eu levaria comigo em uma ilha deserta seria… algo como o um balde de sorvete sem fundo que nunca acaba. Algo como carne. Tipo, eu não sei, bacon. Isso é um petisco? Tem bacias de bacon em festas? Sim, bacon. Sorvete, bacon e alguma outra coisa que é super saudável. Queijo. Algum queijo bom.

Eu estou em uma ilha deserta, quem eu estou tentando impressionar?

OK. Esse é um exagero. Se você pudesse levar um celular ou tablet que tivesse bateria suficiente para assistir um filme, mas você não conseguisse ligar para ninguém porque você não tem sinal, que filme seria?

DR: Por razões similares a O Mestre e a Margarida, tem um filme chamado Matters of Life and Death, com David Niven. Ele foi feito nos fim dos anos 1940, e se você ainda não assistiu, você tem algo incrível na sua frente. É um dos filmes mais mágicos, lindos e incríveis que já foram feitos.

Você também tem bateria suficiente para escutar um álbum. Qual seria?

DR: Um álbum?! Ai, meu Deus. É muito difícil. Tem uma parte de mim que quer pegar o meu álbum favorito, mas tem a outra parte que está como, “O que é bom na praia?”

Eu vou com Doolittle do Pixies, porque há uma boa mistura nele.

Você prefere caçar ou procurar por comida?

DR: Eu acho que eu prefiro caçar do que procurar, porque procurando comida só seria, tipo, frutas e nozes, e isso vai ficar rapidamente muito chato. Então se eu quero carne de verdade – como você pode afirmar, isso é um tema para mim – eu vou ter que caçar.

Se você pudesse escolher uma pessoa famosa para ficar presa com você em um ilha deserta, quem seria?

Alguém bem forte. The Rocky! Então, você sabe, ele poderia carregar as coisas e me ajudar a sobreviver. Ele parece ser bem capaz nesse tipo de ambiente. Eu não não fui feito para esse tipo. E, você sabe, se eu precisasse de coisas do topo das árvores, eu poderia ficar nos ombros dele e subir, sou um pouco ágil. Eu poderia também entrar em lugares pequenos que ele não conseguiria. Sinto que isso funcionaria bem.

Fonte:BuzzFeed

02~27.jpg 01~27.jpg

[BuzzFeed UK]


Com dois lançamentos em algumas semanas, a estrela de Harry Potter, Daniel Radcliffe, discute o que ele quer para o seu futuro.

Desde 2012, quando Daniel Radcliffe atuou como Arthur Kipps na adaptação de Susan Hills, A Mulher de Preto, a estrela de Harry Potter tem feito uma abordagem eclética ao escolher papéis para evitar o destino de muitas estrelas infantis – a obscuridade.

Tornou-se claro que ele não precisava se preocupar, desde que a série Harry Potter acabou em 2011, ele nunca ficou sem atuar. Radcliffe atuou em nove filmes (incluindo Kill Your Darlings e Victor Frankenstein), um filme televisivo (My Boy Jack) e atuou com John Hamm na adaptação da BBC do livro de Mikhail Bulgakov, A Young Doctor’s Notebook. Sem mencionar as pesadas críticas por seu trabalho no teatro, o mais notável em 2007 (ao mesmo tempo da onda Potter) quando ele apareceu na adaptação de Peter Shaffer, Equus.

Seus últimos papéis em filmes lançados, não poderiam ser mais diferentes. Em Imperium, seu trabalho mais recente, Radcliffe atua como um agente do FBI que é mandado pela chefe (Toni Collette) a se infiltrar em um grupo supremacista branco, suspeito de planejar um ataque terrorista. Em preparação para o papel, o ator teve a desfavorável tarefa de procurar sobre a literatura nazista e em fóruns, nos cantos mais escuros da internet, para encontrar esses grupos de extrema direita.

“Foi cansativo, por que você está lendo um monte de ódio,” explica Radcliffe. “Gostaria de olhar nesses fóruns de internet e observar essas ginásticas mentais bizarras em que as pessoas se colocam. Qualquer argumento alimenta uma conspiração mais ampla que eles se convenceram que existe, tudo e qualquer coisa é torcida a favor ou contra apoiar a sua visão de mundo. Foi a intransigência. Você está constantemente contra a parede com estas pessoas, e você nunca vai mudar a mente delas. ”

Em contraste, ele se transforma em um cadáver flatulento que é trazido de volta a vida na comédia hit do Sundance do Daniels, Swiss Army Man, apresentada com um diferente conjunto de desafios. “O fato de que meu personagem, Manny é restrito em seus movimentos foi parte do atrativo,” diz Radcliffe. “Eu amo toda essa coisa física.” O desafio de Radcliffe é que, enquanto ele tem pequenos movimentos no filme, ele está longe da vivacidade, dependente de sua co-estrela Paul Dano para mover seus membros e carregar ele de A para B, significa que a dupla teve que trabalhar junta.

“Acho que foi no segundo dia, [Paul] cuspiu em sua mão e limpou-a na minha cara, ” relembra Radcliffe. “Depois daquele momento nós sabíamos onde estávamos, não havia tempo para puritanismo. Paul também é exatamente o tipo de ator onde você quer pular em cima. Ele é um ser humano amável e totalmente precioso.”

Com mais outros dois papéis sob o cinto, Radcliffe explica o que ele está procurando da sua carreira. “É sobre originalidade, e se eu vi isso antes ou se eu fiz isso antes, ou se isso é novo para mim de alguma maneira – também é com quem eu trabalho.” Desde seus dias de filme em estúdio, Radcliffe tem procurado trabalhar em filmes mais independentes, por que, para ele, é onde o trabalho interessante está sendo feito. “Eu estou em uma posição onde eu tenho a luxúria de inacreditavelmente escolher meus papéis, o que eu acho que incomoda o meu agente,” ele ri.

Radcliffe sabe que seus anos como “O Menino que Sobreviveu” deram a ele uma oportunidade rara, que muitas estrelas infantis nunca têm, e que isso pode não ser igual no futuro. Ao mesmo tempo, ele quer encontrar projetos que o excitem, incluindo mais peças de teatro, revelando que ele estará de volta aos palcos do Reino Unido no próximo ano.

O ator de 27 anos, recentemente, terminou uma temporada da peça de James Graham, Privacy, que foi transferida do Donmar Warehouse em Londres para off-Broadway. Para Radcliffe, é o trabalho nos palcos que desenvolve seu estilo de atuar. “Nunca houve uma peça na qual eu atuei em que não me senti um ator melhor depois.” A peça, uma documentário-drama sobre privacidade online, deu a nós uma oportunidade de discutir se a atenção da mídia é algo com o que ele luta.

“Um amigo meu se refere a isso como ‘corte’”, diz Radcliffe sobre atores e diretores que leem resenhas e colunas de fofoca sobre eles mesmos, um hábito que Radcliffe levou muito tempo para perder. “Levou um longo tempo para eu perceber que eu não preciso ser do jeito que as pessoas querem e se elas vão continuar ou não, isso não precisa me incomodar.” Fama é algo que veio rápido para o jovem Radcliffe. “Eu acho que uma das coisas mais difíceis sobre crescer sendo famoso não são as drogas ou tentações, mas sim tentar encontrar quem você é enquanto as pessoas já têm uma impressão sobre você.” A solução dele: evitar redes sociais e manter a privacidade sempre que ele puder.

E o que vem a seguir? Por algum tempo, ele tinha sido escalado para o filme The Modern Ocean, de Shane Carruth, no qual Radcliffe descreve como “o roteiro mais ambicioso de todos” que ele tenha lido. A dupla se conheceu no set de Swiss Army Man onde Carruth estrela como um figurante médico legista. Infelizmente, Radcliffe não está mais envolvido no projeto, mas ele irá aparecer em Jungle, uma adaptação do livro de Yossi Ghinsberg, sobre um guia fraudulento que lidera um grupo aos confins da selva boliviana.

Também atuando, a ex-estrela infantil tem outro truque na manga com suas ambições de mudar para a direção, e ele tem escrito um projeto que ainda está desenvolvimento. “Eu nunca quis sair da atuação, mas eu definitivamente quero dirigir, e eu iria amar, eu poderia dividir minha carreira entre dirigir e atuar.” Entretanto, nós deveríamos começar a chamá-lo de “O Menino Que Fez”.

Escrito por: Joseph Walsh – The Skinny
Tradução e adaptação: Gustavo Borella


Daniel foi confirmado em uma nova peça teatral chamada Rosencrantz and Guildenstern are Dead, que será exibida no The Old Vic, em Londres. Em uma entrevista recente, ele já havia mencionado que um novo projeto relacionado ao teatro seria anunciado em breve. A peça irá comemorar o aniversário de 50 anos da produção que estreou pela primeira vez em 1966.

Perante o cenário de Hamlet, de Shakespeare, esta comédia de situação alucinante vê dois personagens secundários infelizes, Rosencrantz (Daniel Radcliffe) e Guildenstern (Joshua McGuire), no centro das atenções. Cada vez mais fora de sua profundidade, a jovem dupla começa a tropeçar seu caminho dentro e fora da ação deste drama icônico. Em um salão literário de espelhos, o labirinto brilhantemente engraçado e existencial de Stoppard nos vê testemunhar a crise de identidade final.

A peça irá estrear em 7 de Março e terminará em 9 de Abril de 2017, a produção começa em 25 de Fevereiro. Para informações de ingressos, consulte o site do teatro.


Foram liberadas novas imagens de Imperium, incluindo uma dos bastidores. Confira:

22_28229.png 22_28229~11.jpg 22~12.jpg 22_28629~4.jpg 2~45.jpg

[Stills – Bastidores]






2011 - 2016   DanielRadcliffe.Com.Br